Filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, Tchizé dos Santos, recusa-se a regressar a Angola por alegadamente estar a ser vítima de perseguição política.

O Grupo Parlamentar do MPLA sugeriu, esta semana, a deputada Welwitcha dos Santos Tchizé, a suspender o seu mandato por se encontrar no estrangeiro há mais de 90 dias, o tempo permitido pela lei. A filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos recusa-se aceitar a sugestão por alegadamente estar a ser vítima de perseguição política.

Segundo a Constituição angolana, um deputado da Assembleia Nacional tem apenas o direito de ficar no estrangeiro durante 90 dias. Mas a deputada Tchizé dos Santos já ultrapassou o prazo limite previsto pela legislação. Foi por isso que, o Grupo Parlamentar do MPLA, notificou-a para suspender o seu mandato.

Perda de mandato

O constitucionalista angolano Albano Pedro aplaude a atitude dos camaradas e diz que assim se evitará consequência maior: a perda do mandato.

Penso que é uma posição generosa do seu partido no sentido de prevenir a perda do mandato porque se a deputada não suspende o mandato o que vai acontecer é a perda do mandato como deputada do MPLA ”.O jurista explica que caso a deputada venha suspender o seu mandato, o seu lugar será ocupado pelo próximo cidadão da lista do MPLA nas eleições gerais de 2017 enquanto decorre a presente legislatura.

Seria um deputado que a substituiria provisoriamente até que ela estivesse em condições de voltar a exercer efectivamente as funções. Claro desde que o partido se mantenha no poder e o mandato legislativo não esteja no seu termo porque se estiver no fim também nessa altura nem mesmo a suspensão valerá a pena.

Mas, em entrevista a agência de notícias Lusa, Tchizé dos Santos recusa-se a suspender o mandato por supostamente ser alvo de perseguição política do Governo do Presidente João Lourenço.

Esse Presidente da República merece um impeachment, porque ninguém, nenhum chefe de Estado ouve um deputado publicamente, através de órgãos de comunicação internacionais. É o senhor João Lourenço que me está a fazer a perseguição através do MPLA, porque ninguém no MPLA toma ali uma atitude sem a autorização do Presidente, ou sem a sua orientação, afirmou. Entretanto, a DW África tentou sem sucesso ouvir o Grupo Parlamentar do MPLA.

Tchizé está a fugir dum processo-crime

Se a deputada tiver provas da sua perseguição, deve pedir asilo político para melhor proteger-se do perigo que supostamente corre, aconselha o jurista Albano Pedro. A única coisa que lhe resta é pedir asilo político no país onde estiver a residir ou encontrar um domicílio que seja permanente, ou definitivo. Não me parece lógico que estando a ser perseguida politicamente mantenha o mandato corrente.

Para Manuel Chivonda Baptista Nito Alves conhecido como preso do Presidente em 2013 por ter alegadamente difamado o ex-chefe de Estado José Eduardo dos Santos, desvaloriza os motivos evocados pela deputada angolana. A cidadã Tchizé dos Santos, filha do ex-Presidente dos Santos, não está a ser perseguida em Angola ela está a fugir de um processo-crime e abuso de poder que fazia enquanto o seu pai era Presidente de Angola. Ela diz que prefere varrer as ruas da Europa como uma cidadã normal do que viver em Angola.

O activista cívico angolano do mediático processo dos 15+2, questiona: Alguém que está no Parlamento como deputada, alguém que falava a imprensa torta a direita sobre justiça, agora foge à justiça do seu país? não compreendo essa atitude.

Leia também: Que futuro tem o império empresarial de Isabel dos Santos?

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui