Procuradoria disse que não sabe “exactamente” para onde foram os fundos. Quinhentos milhões não foram sequer auditados por falta de documentação “satisfatória”.

O Fundo Monetário Internacional disse hoje que quer esclarecer o destino de milhares de milhões de dólares em dívidas escondidas do governo moçambicano cujo destino permanece rodeado de mistério.

Isto depois de a Procuradoria Geral da República ter revelado que a auditoria deixou por esclarecer o destino exacto de 2.000 milhões de dólares contraídos por três empresas estatais entre 2013 e 2014.

Outros 500 milhões de dólares não foram sequer alvo de auditoria devido a “inconsistências” e falta de documentação “satisfatória”.

O FMI disse que vai enviar uma delegação a Moçambique para esclarecer essa questão e também para reavaliar a situação macroeconómica e discutir as prioridades das autoridades relativas ao orçamento de 2018.

Num comunicado a organização disse que o “sumário” do relatório contém “informação útil sobre como os empréstimos foram contraídos e sobre os activos adquiridos pelas empresas”.

“Contudo, persistem lacunas de informação, em particular no que respeita ao uso dos fundos dos empréstimos, disse o FMI que revelou que a delegação vai visitar Moçambique entre 10 e 19 de Julho para discutir os resultados da auditoria com as autoridades e possíveis medidas de seguimento” incluindo a reavaliação da “situação macroeconómica e discutir as prioridades das autoridades relativas ao orçamento de 2018”.

Lacunas permanecem no entendimento sobre como exactamente os 2.000 milhões USD foram gastos, apesar dos esforços consideráveis para esclarecer o assunto, disse a procuradoria.

Até as inconsistências serem resolvidas e documentação satisfatória ser fornecida pelo menos 500 milhões de dólares de gastos de natureza potencialmente sensível permanecem por ser alvo de auditoria e por explicar”, disse o sumário do relatório da companhia Kroll.

Leia também: Novo ciclone ameaça Moçambique (VÍDEO)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.