‘Hipócrita, imoral e injusto’, diz China sobre posição dos EUA em relação à Huawei

Os EUA e outros países não apresentaram nenhuma evidência conclusiva de que a fabricante chinesa Huawei ameace a segurança nacional e estão apenas despertando temores por interesse próprio, disse uma porta-voz do governo chinês nesta quarta-feira (13).

0
117

Os críticos da Huawei estão evocando ameaças e abusando do poder do Estado para suprimir os legítimos direitos e interesses de desenvolvimento das empresas chinesas e usando meios políticos para intervir na economia, disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Hua Chunying.

Todos os países devem lidar com assuntos relevantes de maneira objectiva, abrangente, racional e correta, em vez de fabricar desculpas de todos os tipos para a própria busca de interesse à custa de outros, o que é bastante hipócrita, imoral e injusto, afirmou a representante da chancelaria de Pequim.

Os comentários de Hua foram alguns dos mais afiados já fornecidos sobre a disputa envolvendo a Huawei. Washington busca convencer outros países a recusar serviços e produtos da companhia chinesa.

A Huawei é a maior fornecedora mundial de equipamentos de rede usados ​​por empresas de telefonia e internet. Insiste que é independente e não representa uma ameaça à segurança alheia, mas há muito é vista por alguns como uma frente de espionagem pelos serviços militares e de segurança chineses.

Com base nisso, os Estados Unidos, a Austrália, o Japão e alguns outros governos impuseram restrições ao uso da tecnologia da Huawei, inclusive seus celulares.

Na Terça-feira na Polónia, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, renovou sua advertência de que os Estados Unidos podem ser forçados a reduzir suas operações na Europa e em outros lugares se os países continuarem a fazer negócios com a Huawei.

Pompeo disse que os EUA têm fortes preocupações sobre as motivações da Huawei na Europa, especialmente nos países membros da OTAN e da União Europeia, bem como sobre suas práticas comerciais.

Divulgamos os riscos associados a isso, riscos à informação privada dos cidadãos do país, riscos decorrentes da instalação dessa tecnologia nos sistemas de rede, afirmou.

As advertências dos EUA sobre os riscos da tecnologia de telecomunicações chinesa surgem à medida que os governos escolhem provedores para o lançamento da internet 5G, o que permitirá velocidades de download mais rápidas, além de maior conectividade entre os dispositivos.

Autoridades norte-americanas argumentam que, de acordo com as leis de segurança chinesas, empresas como a Huawei ou a ZTE poderiam ser compelidas a entregar dados, ou acessar informações da inteligência chinesa.

Hua disse que essas preocupações se baseiam em disposições da lei nacional de inteligência da China, que diferem pouco de legislações semelhantes em outros países.

É uma prática internacional manter a segurança nacional com a legislação e exigir que organizações e indivíduos cooperem com o trabalho de inteligência nacional, disse Hua.

Sem provas sólidas, os EUA continuam inventando crimes e produzindo várias teorias de ameaças, afirmou a representante de Pequim.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here