Ameaça de greve na selecção de Angola na véspera da partida para o Egipto, onde os palancas-negras se estreiam, dia 24, no Campeonato Africano das Nações (CAN). O que promete ser uma novela, pode ser contada em nove actos e a verdade é que os jogadores angolanos dizem que não está em causa o dinheiro, mas sim a transparência e a vontade de compensar quem com patriotismo luta por defender a pátria.

Vamos então ao início deste filme que acaba por fazer com que Angola seja das últimas selecções a chegarem ao Egipto, até porque houve alguns problemas com a marcação da viagem dos angolanos para o Egipto.

Primeiro acto: os jogadores ficaram a saber dia 8, dos colegas da Guiné-Bissau após um jogo particular, que estes tinham recebido cada um 15 mil dólares de prémio de qualificação para o CAN.

Segundo acto: o assunto do prémio de qualificação nunca tinha sido abordado pela Federação Angolana de Futebol (FAF). Foi agora

Terceiro acto: no dia 9, os jogadores solicitaram um encontro com o presidente da FAF, Artur Almeida e Silva, para abordarem o assunto e o pagamento das diárias.

Quarto acto: o presidente recusou-se a falar com os atletas, obrigando o seleccionador, o sérvio Srdjan Vasiljevic, a sair de Aveiro, onde estava com a selecção, e ir ter consigo ao Porto.

Quinto acto: perante a recusa do dirigente em ouvi-los, os jogadores resolveram paralisar os trabalhos na Segunda-feira e faltaram às duas sessões do dia (greve).

Sexto acto: dada a iminência da greve se estender para Terça-feira e pela repercussão que o caso tomou nas redes sociais, o dirigente recuou e ouviu os atletas.

Sétimo acto: ficou acordado que a diária seria paga até ontem, data prevista para a viagem rumo ao Cairo, que, no entanto, acontecerá apenas hoje à noite. Cumpriu a FAF e foi paga, de facto, ontem, à razão de mil euros a cada jogador.
Oitavo acto: o prémio de qualificação ficou de ser pago antes da estreia no CAN, dia 24, frente à Tunísia.

Nono acto: os jogadores deixaram claro que não paralisaram os trabalhos por causa de dinheiro, mas apenas por exigirem respeito por quem sofre dentro do campo. Para que dirigente algum ouse achincalhar uma selecção angolana

Numa selecção onde estão Gelson Dala e Bruno Gaspar (Sporting), Wilson Eduardo (SC Braga), Mateus (Boavista), Jonathan Buatu (Rio Ave) e Evandro Brandão (Leixões), não se pode dizer que comece bem a participação de Angola no CAN!

Ler também: Aconteceu um massacre no Sudão e quase ninguém fala dele

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.