Temer vai agora cumprir a prisão preventiva decretada no âmbito da operação Descontaminação, uma ramificação da operação Lava Jato.

 Temer entrega-se à polícia
Michel Temer no interior da viatura em que foi transportado para a prisão

O ex-presidente brasileiro Michel Temer entregou-se esta Quinta-feira à polícia federal de São Paulo para cumprir a prisão preventiva decretada no âmbito da operação Descontaminação, uma ramificação da operação Lava Jato.

Depois já ter estado preso e ter sido libertado, a justiça brasileira determinou, na Quarta-feira, que o antigo Presidente Michel Temer deverá voltar para a prisão. A decisão foi tomada pelo Tribunal Regional Federal da 2.ª Região, que tem jurisdição nos estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, por dois votos contra um.

A operação Descontaminação refere-se à investigação de uma organização criminosa que recebeu um milhão de reais (mais de 227 mil euros) em subornos no contrato de construção de uma fábrica nuclear, a Angra 3, no estado do Rio de Janeiro. Segundo o Ministério Público, o montante de subornos pedidos, pagos ou desviados pelo grupo de Temer (o chamado esquadrão MDB, nome retirado das siglas do seu partido, o Movimento Democrático Brasileiro ) ascende a 1,8 mil milhões de reais (mais de 400 mil milhões de euros), sendo que a organização actua há 40 anos no país, obtendo vantagens indevidas em contratos públicos.

Os alegados crimes datam de 2017, mas como na altura Temer ainda era presidente só agora foi possível prosseguir com a acusação, impedida, na altura, pelos deputados.

Leia também: Brasil e China trocarão experiências na luta contra a corrupção

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui