A África do Sul confirmou o seu primeiro caso de coronavírus depois que um homem de 38 anos que viajou para a Itália deu positivo, disse o ministro da Saúde, Zweli Mkhize.

Uma equipa de rastreamento foi enviada para a província de KwaZulu-Natal, na África do Sul, com epidemiologistas e médicos do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis, disse Mkhize em comunicado divulgado nesta Quinta-feira. O sul-africano infectado, que fazia parte de um grupo de 10 pessoas que viajou para a Itália, voltou para casa em 1 de Março, entrou em isolamento em 3 de Março e agora está a ser tratado no hospital.

Levou mais de dois meses para o vírus chegar à África do Sul da China continental, de onde se originou. Globalmente, o número de casos confirmados chega a 96.000, com mais de 3.300 pessoas mortas.

“Vamos viver com o coronavírus, temos que ser francos”, disse Mkhize a legisladores na Cidade do Cabo. “Não devemos permitir o pânico.”

Outros países africanos com casos confirmados incluem Nigéria, Senegal, Egipto e Argélia. Enquanto países como a África do Sul se preparam para a chegada do coronavírus, economias africanas menores, com sistemas de saúde frágeis, podem ter dificuldades para conter o surto.

O rand ampliou as perdas após o anúncio, enfraquecendo até 1,8% em relação ao dólar.

O presidente Cyril Ramaphosa disse que o governo fez os preparativos adequados para lidar com o coronavírus e garantirá a máxima transparência sobre a sua propagação. A doença terá um grande impacto na economia sul-africana, com as viagens já afectadas, disse ele num discurso tele-visionado.

A disseminação do novo vírus pode permanecer “mínima e lenta” se o surto for combatido na fonte e os países cooperarem, disse o chefe da Organização Mundial da Saúde. A OMS declarou o surto de coronavírus na China uma emergência de saúde global em 30 de Janeiro.

“Não há sinal de que o coronavírus esteja a se espalhar amplamente” na África do Sul agora, disse Cheryl Cohen, chefe de doenças respiratórias do NICD. Todas as pessoas que estiveram em contacto com o sul-africano infectado foram solicitadas a se auto-colocar em quarentena até que seja possível determinar se eles têm o vírus, de acordo com as melhores práticas internacionais, disse ela.

Não se espera que o vírus tenha um impacto maciço na taxa de mortalidade da África do Sul, embora possa levar a estadias hospitalares mais longas e aumentar os custos de seguro médico, de acordo com Risto Ketola, director financeiro do grupo Momentum Metropolitan Group.

Ryan Noach, director-executivo da Discovery Health Ltd., disse que a seguradora médica está confiante na capacidade da África do Sul de gerenciar o vírus, com as autoridades tomando medidas rápidas para identificar o primeiro caso e conter o indivíduo.

Leia também: Coronavírus: o remédio certo para a economia mundial

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite o seu nome aqui

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.